Jornalismo econômico para a inovação no Nordeste -
Jornalismo econômico para a inovação no Nordeste -
14 de junho de 2024 21:07

EXCLUSIVO: Cultura dos coquetéis impulsiona criação de marcas de gin nordestinas

EXCLUSIVO: Cultura dos coquetéis impulsiona criação de marcas de gin nordestinas

DNA regional acrescenta popularidade às receitas com o destilado

 

Foto: Jez Timms/ Unsplash

Por Luiza Müller
Para o Investindo por Aí

A cultura dos coquetéis abriu um espaço especial à entrada das bebidas destiladas no mercado brasileiro. De acordo com o caderno setorial do Banco do Nordeste, o Brasil produziu 1,71 bilhão de litros de destilados em 2021, uma expansão de quase 19% quando comparados ao 1,44 bilhão de litros registrados em 2016.

Com o aumento da produção, os empreendedores brasileiros voltaram seus olhos ao queridinho da vez: o gin. Refrescante e versátil, o destilado é utilizado no preparo de drinks consagrados, como martini, gin tônica e negroni. Para se ter uma ideia de seu rápido avanço, a partir principalmente de 2015, o consumo da bebida cresceu 111% em 2017, segundo um relatório publicado pela International Wine & Spirit Research (IWSR). 

É neste cenário que marcas nordestinas de gin começaram a se multiplicar. Em busca de botânicos que ressaltassem a região e suas características, marcas como Santo Prazer e Tanajura surgiram para acrescentar ao coro de consagração do destilado, adornado com um toque genuinamente nordestino. 

Para Ramon Morais, sócio e gerente do gin alagoano Santo Prazer, o sucesso da bebida na região não é mero acaso. “O gin é uma bebida muito refrescante e seu consumo é comum em regiões que são mais quentes, e como o Nordeste possui clima predominantemente praiano, há maior procura por este tipo de experiência”, ressalta Ramon. 

Da cachaça ao gin

Com a proposta de um novo modelo de negócios, o gin Santo Prazer nasceu do sucesso da cachaça Saudade Pura, formulada pela SP Drinks, em 2012. À época, Paulo Florencio, co-fundador da empresa, associou-se a dois alambiques, localizados nas regiões interioranas de São Paulo e Rio de Janeiro. Os estabelecimentos, por sua vez, realizavam a produção, envase e rotulagem da cachaça, que era enviada ao Paraná para ser distribuída por Florencio. 

Após a mudança da família de Florencio para Maceió (AL), em 2018, a empresa passou a atuar também como envasadora, aliando-se a produtores tradicionais de destilados para executarem as receitas que elaboravam. O destilado então é encaminhado a Maceió, onde é envasado pela SP Drinks. “Na época em que elaboramos nosso modelo de negócios, praticamente não se tinha conhecimento de outras empresas que faziam o mesmo que nós, então foi uma atitude pioneira”, afirma Morais. 

Desse modo, munidos de uma envasadora própria e atentos à crescente popularidade do gin, a SP Drinks adicionou o rótulo Santo Prazer ao seu portfólio em 2019, e hoje ele corresponde a 70% (ou R$ 600 mil) das vendas anuais da empresa. 

Foto: divulgação

Formulada com sementes de coentro, zimbro e cardamomo, a receita do gin Santo Prazer foi elaborada com Felipe Jannuzzi, produtor e especialista em destilados, que buscou inspiração na tradição europeia do London Dry. “Como o público estava começando a conhecer o gin, acreditamos que seria melhor trazer uma receita mais clássica. Assim, o Santo Prazer é um destilado para quem quer entender o que é um gin tradicional, que vai bem em diversos coquetéis”, explica Jannuzzi. 

Cacau e dendê

É em uma casa rosa na Ilha Grande de Camamu, localizada no sul da Bahia, que a história do Tanajura Gin se inicia. Quando pequena, Erica Melissa, sócia-fundadora da empresa, observava sua avó cozinhar o dendê na água salgada do mar de Ilha Grande, o que concedia ao ingrediente um sabor único. Nas férias de inverno, no entanto, ia à fazenda, onde escalava montes de amêndoa de cacau, cultivado pelo avô. 

“Esse cacau e dendê viraram uma ideia de gin quando me reencontrei com a Débora. Visitamos uma destilaria boutique e nos apaixonamos, o que nos levou a produção do nosso próprio gin artesanal”, comenta Erica acerca da gênese da empresa, que fundou junto com a amiga Débora Borges.

Foto: divulgação

Inspiradas pela história familiar de Erica e empenhadas na criação de um gin autenticamente baiano, as duas mulheres decidiram incluir o cacau e o dendê como ingredientes centrais da receita do destilado. Inédito, o Tanajura é o único gin do mundo que leva os dois ingredientes em sua composição, além de outros 11 botânicos, entre eles, capim-limão, coentro, zimbro e baunilha da Mata Atlântica. 

Atualmente, a empresa possui faturamento anual de R$ 1,2 milhão e conta com capacidade de produção de 20 mil garrafas por mês, sendo sua produção realizada em alambiques de cobre, que refinam o álcool e concedem maior pureza ao gin. “Ainda hoje sinto o cheiro das amêndoas de cacau cultivadas pelo meu avô no aroma do Tanajura”, afirma Erica. 

 

Print Friendly, PDF & Email

Gostou desse artigo? compartilhe!

Últimas

Cerimônia marcou a grande noite dos vencedores do XII Prêmio Sebrae Prefeitura Empreendedora (PSPE). Foto: Erivelton Viana.
Uma tela de computador exibindo um mapa do Brasil, um cacto representando o Nordeste e uma seta com indicadores econômicos em crescimento
Karine_Oliveira_Shark_Tank_Brasil_sony_da4a4753b7
Julio-VasconcelosJVC05434-Aprimorado-NR-scaled_p7420_cover_image_resized
Imagem gerada por inteligência artificial: (várias lojas populares, vendendo milho cozido, com bandeirinhas coloridas penduradas em cordões nas ruas, vários compradores e um grupo com uma pessoa tocando sanfona)
engie-696x428
citer-piaui-hidrogenio-verde-jpg
Captura de tela de 2024-06-06 07-29-18
produtos-importados-2
industriaRN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#pf-content img.pf-large-image.pf-primary-img.flex-width.pf-size-full.mediumImage{ display:none !important; }