Jornalismo econômico para a inovação no Nordeste -
Jornalismo econômico para a inovação no Nordeste -
1 de março de 2024 18:48

Empreendedorismo feminino: startup ajuda mulheres a criar, impulsionar e digitalizar negócios na Paraíba

Empreendedorismo feminino: startup ajuda mulheres a criar, impulsionar e digitalizar negócios na Paraíba

A transformação social proposta pela startup Tresbê D.E.L.A.S tem como principal aliado o programa Acelera MEI Mulher, que já ajudou dezenas de empreendedoras em João Pessoa e no interior da Paraíba.

— Quero uma vida grande. Quero viver tudo. Quebrar cada regra que existe. Dizem que a ambição não é atraente em mulheres. Talvez. Mas sabem o que não é atraente? Esperar algo acontecer. Olhar para a janela e pensar que a vida que você deveria estar vivendo está lá fora, mas não sair e correr atrás, mesmo que digam que não dá. Ser covarde só é fofo em O Mágico de Oz.

A citação é de Miriam “Midge” Maisel, protagonista de The Marvelous Mrs. Maisel (A Maravilhosa Sra. Maisel), na quinta e última temporada da série, quando ela finalmente faz a apresentação que dará início ao seu estrondoso sucesso no mundo da comédia, dominado por homens.

Esse ponto da história se passa em 1961, mas todo o discurso, que também cita a dura transição da mulher esposa e mãe para mulher dona das rédeas da própria vida, indivíduo cuja existência não se restringe ao serviço doméstico, ainda ecoa se aplicado aos dias atuais. É difícil não se impactar com as palavras da personagem, que é fictícia e ao mesmo tempo tão real. Sabemos que oportunidades foram negadas para muitas de nossas mães; certamente para a maioria de nossas avós.

— É uma palavra assustadora. “Independente”. Ainda mais para mulheres — crava Midge.

De fato, é. Ainda é. Para muitas mulheres, a jornada até a independência é solitária. Ocupar espaços exige renúncias e um trabalho árduo, de autoafirmação constante. E quando as portas do mercado tradicional se fecham, empreender parece ser a única solução. Empreender. Palavra bonita, mas que, às vezes, esconde as intempéries do processo.

O empreendedorismo não é um caminho fácil. Jornadas exaustivas de trabalho, pouco retorno financeiro e ausência de tempo livre para descanso e lazer são apenas alguns dos desafios que podem surgir. Quando se está sozinho na empreitada, então, o fardo fica ainda mais pesado.

Mulheres se dividem entre muitas tarefas, o que pode comprometer evolução dos negócios — Foto: Pixabay

Essa é a realidade de mais de 152 mil mulheres na Paraíba. Dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas na Paraíba (Sebrae-PB) apontam que o estado possui 166 mil empreendedoras, 92,16% não possuem sócios e 45,84% são chefes de domicílio. Quase 49% dessas mulheres têm entre 25 e 44 anos. A maioria delas, 73,9%, ganha com seus negócios apenas um salário mínimo; 15,6% recebe entre um e dois salários mínimos; 4,3% vive com valores entre dois e três salários mínimos; e somente 4,8% lucra entre três e cinco salários mínimos. O percentual de empreendedoras que conseguem mais que isso não passa de 1,5%.

Lançar-se ao empreendedorismo é, portanto, bastante complicado. Sem rede de apoio, o fracasso é iminente.  Um levantamento recente do Sebrae-PB mostra que a média de vida dos negócios em operação no estado é de pouco mais de três anos.

O especialista em Administração Marcos Leão explica que a principal causa da alta taxa de mortalidade empresarial é a falta de habilidade de gestão.

— Em períodos de turbulência econômica, instabilidade dos mercados globais e da aceleração nas dinâmicas de mercado, a falta de uma gestão profissionalizada torna-se o fator crítico de sucesso para a sobrevivência dessas empresas — aponta.

Não tem jeito. Para empreender com sucesso, é preciso ajuda e capacitação. Na Paraíba, uma startup se dedica à educação empreendedora de mulheres. Fundada em 2019, a Tresbê D.E.L.A.S focava, inicialmente, na inclusão de meninas do Ensino Médio no ramo da tecnologia. No entanto, durante a pandemia do novo coronavírus, a startup se transformou e passou a ter como foco o desenvolvimento, impulsionamento e digitalização de negócios de mulheres.

Thayane Belchior e Dani Bezerra são fundadoras da Tresbê D.E.L.A.S — Foto: Divulgação

— O empreendedorismo feminino nos escolheu. Nosso objetivo é ajudar mulheres a gerirem a própria vida financeira e guiá-las nessa jornada, que é, sobretudo, de autoconhecimento. A maioria das empreendedoras tem uma história parecida: são mães e não possuem rede de apoio. Nos negócios, elas são responsáveis pela produção, distribuição, marketing e comercial. Fazem de tudo e, muitas vezes, acabam deixando de lado as relações pessoais. Para ter sucesso, é importante entender cada um desses papéis, saber o que você tem abandonado — diz a CEO da Tresbê D.E.L.A.S, Thayane Belchior.

Com o lema desenvolvimento, empreendedorismo, laços, acolhimento e sororidade, a startup aposta no potencial das iniciativas femininas. Thayane Belchior destaca que as habilidades femininas ainda são subjugadas, às vezes, pelas próprias mulheres.

As mulheres não fazem ideia do impacto que elas causam, nem do poder e potencial para economia que têm. É necessário incentivar essa ‘virada de chave’, para que as mulheres despertem e se movimentem para ocupar cada vez mais espaços na sociedade — defende a CEO. — Carregamos a bandeira da mulher paraibana. Costumamos dizer que João Pessoa é um oceano azul de oportunidades. Acreditamos muito no potencial das nossas mulheres — reforça.

Dani e Thayane atuam em parceria com o Sebrae — Foto: Divulgação

A transformação social proposta pela startup Tresbê D.E.L.A.S tem como principal aliado o programa Acelera MEI Mulher, que já ajudou dezenas de empreendedoras em João Pessoa e no interior da Paraíba.

Jussara Diniz, Nara Ribeiro e Ana Paula Narciso são algumas dessas mulheres. Donas de histórias e trajetórias distintas, que possuem um ponto em comum: nenhuma delas está pensando somente em si.

Paixão por gatos

Administradora de empresas, Jussara Diniz, 48 anos, trabalhou em empresas privadas no regime CLT por mais de duas décadas. Em 2021, após vivenciar luto pela morte do pai e superar um quadro de burnout, Jussara decidiu abrir a Filicattus, loja especializada em bem-estar e produtos para gatos.

— Eu crio gatos desde os oito anos, mas, de um tempo para cá, eles passaram a ter uma importância ainda maior na minha vida. Os gatos foram meu suporte, eles que me deram equilíbrio. Então, quando decidi empreender, eu quis algo que eu gostasse e que também mexesse com as pessoas — conta.

Jussara planeja ações e celebra conquistas, como 5 mil seguidores nas redes sociais — Foto: Portal Correio

Apesar da bagagem como administradora, Jussara possuía inseguranças quanto às estratégias a serem adotadas no novo desafio profissional.

— Por mais que eu tivesse formação, era uma área nova. Precisei pensar estrategicamente nas vendas. Então, pesquisei mercado, fiz cursos, passei a estudar marketing digital. Conhecer a Tresbê D.E.L.A.S foi muito proveitoso, pude ter contato com outras mulheres empreendedoras e vi que não estava nesse barco sozinha — recorda.

Definido qual ramo seguir, era hora de buscar diferenciais. Jussara Diniz não queria apenas vender produtos. O amor pelos gatos a fez enxergar que era preciso ir além.

—Eu tenho um valor aqui que é deixar os felinos felizes. Eu entendo que se os gatos estão felizes, eles estão com bem-estar e saúde em dia. Inclusive, tenho uma hashtag chamada felinos felizes, gateiros gratos. Eu só vendo aquilo que faz bem para os animais. Eu compro os produtos, meus gatos testam e eu coloco para vender se eles aprovarem. A qualidade é atestada por eles — explica.

Jussara Diniz e a gata Mel, uma de seus seis ‘filhos’ felinos — Foto: Portal Correio

Jussara Diniz também lançou um serviço de consultoria para quem deseja criar um gato ou enfrenta problemas comportamentais dos bichanos que já tem em casa.

Eu quero que a Filicattus seja uma empresa responsável ambientalmente, que traga discussões sobre melhorias da qualidade de vida dos animais, que tenha a defesa animal como conceito — completa a empreendedora.

A Filicattus é uma loja totalmente online. Atualmente, o contato com Jussara Diniz pode ser feito pelo Instagram (@filicattus) e pelo WhatsApp (83) 99115-0796. Em breve, a loja também ganhará um site (filicattus.com.br).

Assista ao vídeo abaixo e saiba mais sobre a Filicattus.

Autoestima de mulheres

Nara Ribeiro, 43 anos, é cabeleireira desde os 17 anos. Trabalhou em salões de beleza e, em 2007, passou a atender a domicílio. Naturalista por essência, Nara se incomodava em realizar procedimentos que considerava agressivo à saúde das clientes, como a selagem.

— Eu sempre busquei resultados reais. Com o tratamento certo, o cabelo fica disciplinado e não precisa mais de selagem — explica.

Era difícil, porém, encontrar no mercado produtos que garantissem à profissional os resultados que ela tinha em mente.

— Fui buscar na cosmetologia uma solução para isso. Eu entendi que para eu ter resultados melhores, eu precisava ter certeza do que tinha dentro dos cosméticos que eu utilizava. Eu entendi que eu tinha que ter controle da matéria-prima, dos ativos — diz.

Nara Ribeiro comemora sucesso de linha com abertura de salão — Foto: Portal Correio

O primeiro contato com o mundo da cosmetologia aconteceu em 2014 e, a partir de então, Nara passou a nutrir o sonho de lançar uma linha própria.

— Fiz faculdade e cursos de especialização. Eu tinha vontade de empreender, mas eu não era organizada. Conheci a Tresbê D.E.L.A.S por um grupo de WhatsApp para empreendedoras e, na mentoria, comecei a desengavetar ideias. Lancei minha linha em 2020 e fui a pessoa que mais vendeu produtos em um shopping virtual realizado pela Tresbê. Foi o que me salvou no auge da pandemia — lembra.

Os produtos de Nara são personalizados. Ela analisa as necessidades de cada cliente e faz um diagnóstico de qual fórmula utilizar no tratamento.

A minha meta é melhorar a autoestima de mulheres, mas sempre colocando a saúde em primeiro lugar. Com os produtos manipulados eu consigo alcançar isso. Eu avalio o cabelo e vou moldando o produto de acordo com a necessidade da cliente — reforça.

Nara Ribeiro lançou linha de cosméticos naturais para fugir de produtos prejudiciais à saúde — Foto: Portal Correio

O sucesso da linha de cosméticos possibilitou a Nara a abertura de um salão próprio. O espaço funciona no bairro de Manaíra, em João Pessoa. A cabeleireira mantém o Instagram (@nararibeirohair) e o WhatsApp (83) 98826-6454 como canais virtuais de atendimento a clientes.

Assista ao vídeo abaixo e saiba mais sobre a Nara Ribeiro Cosmetical.

Transformação da comunidade

Até pouco tempo atrás, Ana Paula Narciso, 33 anos, trabalhava como doméstica e faxineira. A história dela começou a mudar quando uma amiga, que vendia bolsas e calçados de forma autônoma, pediu ajuda na empreitada. A parceria não durou muito, mas a porta para um novo caminho a ser trilhado tinha sido aberta. Ana Paula decidiu abrir uma loja.

— Eu tinha medo de não dar certo. Algumas pessoas da minha família e até clientes desacreditaram do meu projeto, mas eu sabia que na minha região não tinha uma loja desse tipo, que precisava ter. Decidi enfrentar o desafio. Primeiro, montei a loja na garagem de casa. Depois, surgiu a oportunidade de alugar um ponto comercial. Mesmo com as dificuldades, está dando certo — celebra.

Planejamento e aplicação de recursos é desafio para empreendedora — Foto: Portal Correio

O investimento inicial na loja Paula Calçados e Bolsas foi de R$ 1.200, sendo R$ 500 para aluguel e R$ 700 para compra de mercadorias.

— Desde o começo eu queria crescer. Então, peguei um empréstimo de R$ 5.000 com o Sebrae. O acordo era para que eu pagasse em três anos, mas acredito que vou conseguir quitar esse valor ainda em 2023. Já estou pensando num próximo investimento para equipar a loja — conta.

A empreendedora destaca que questões financeiras são os principais empecilhos para a expansão dos negócios, mas alega que não se deixa intimidar pelas limitações de recursos.

— Todo sonho exige muito planejamento. Como começar, por onde começar, de onde tirar recursos. Mas a gente trabalha para vencer. Não podemos deixar isso se tornar um obstáculo e nos deixar estagnados. As meninas da Tresbê D.E.L.A.S me ajudaram muito nesse processo — relata.

A loja de Ana Paula completa 1 ano em setembro e a empreendedora já sonha em gerar empregos e transformar a economia local.

Quero me tornar uma mulher gigante. Quero que as pessoas falem: ‘Essa é a Paula. Ela cresceu e transformou o lugar onde ela mora — diz.

Mas, para Paula, o tão almejado sucesso não fará sentido se ela não puder ajudar outras mulheres a conquistarem seus objetivos.

— Nós mulheres ainda somos muito desacreditadas. A nossa sociedade tem preconceito. É fundamental que nos apoiemos. Esse é um dos meus papéis também: não crescer sozinha. Eu quero poder dar a mão para a mulherada, para minhas amigas, e mostrar para elas o caminho. Que eu cresça junto com elas, sozinha não tem graça — arremata.

Paula tenta convencer a amiga, Janaína Santos, a mergulhar de cabeça no empreendedorismo — Foto: Portal Correio

A loja Paula Calçados e Bolsas fica na Rua Jair Cunha Cavalcanti, no bairro Jacaré, em Cabedelo, Região Metropolitana de João Pessoa. Clientes podem consultar informações sobre produtos pelo Instagram (@paulacalçadosebolsas) e WhatsApp (83) 99311-7170.

Print Friendly, PDF & Email

Gostou desse artigo? compartilhe!

Últimas

Renata dos Santos, Secretária da Fazenda de Alagoas | Reprodução
Obras da Transnordestina | Foto: Agência Senado
agencia do bnb no bairro passaré - fortaleza - ceara
conectarecife
OIP
The landscape of Caatinga in Brazil
2021-04-23-general-salgado-5-1
Reprodução
Reprodução
Reprodução

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#pf-content img.pf-large-image.pf-primary-img.flex-width.pf-size-full.mediumImage{ display:none !important; }