Jornalismo econômico para a inovação no Nordeste -
Jornalismo econômico para a inovação no Nordeste -
23 de fevereiro de 2024 20:43

Estudo aponta os caminhos do hidrogênio verde no Nordeste

Estudo aponta os caminhos do hidrogênio verde no Nordeste

Região tem potencial para ser grande produtor do combustível, mas precisa de planejamento
Bahia investe em Hidrogenio Verde. Foto: Divulgação

Por Portal A Tarde

Considerado um dos combustíveis do futuro, o hidrogênio verde necessita de planejamento para que faça parte do mercado energético do Nordeste. É o que mostra um estudo realizado pela SAE4MOBILITY, Instituto de Ciência e Tecnologia da SAE BRASIL, a pedido do Plano Nordeste Potência, que desenha um cenário nacional de mobilidade sustentável para a região.

O relatório aponta o passo a passo para os nove estados ingressarem na cadeia produtiva desse gás extraído da água, três vezes mais potente que a gasolina e que não gera poluição quando consorciado a energias renováveis. O documento contextualiza o hidrogênio verde no panorama energético brasileiro e mundial e descreve o que governos e iniciativa privada precisam fazer para impulsionar o uso do H2V, como é chamado.

No estudo, a SAE4MOBILITY cita três desafios a serem superados: preço; distribuição e armazenamento; e transporte. “Cada um desses temas tem infinitas soluções, e no documento indicamos exemplos de como os governos estaduais e federal e a iniciativa privada podem ajudar a alavancar essa tecnologia e trazer benefícios para o Nordeste e para o país”, afirma o principal autor do estudo, Camilo Adas, presidente do conselho da SAE4MOBILITY.

O H2V tem no Nordeste um terreno propício para o seu desenvolvimento, uma vez que sua produção depende de fontes renováveis de energia. É que o hidrogênio só pode ser chamado de verde quando a eletricidade envolvida no processo de obtenção do gás tem emissão baixa de gases do efeito estufa. O hidrogênio marrom e o cinza, por exemplo, são produzidos a partir de combustíveis fósseis, e portanto emitem muitos gases estufa em sua produção.

Diferenciais

O relatório destaca que atualmente 84% da energia gerada no Nordeste é renovável. A fonte hidrelétrica gera 30.082 gigawatts ao ano (31%); a eólica, 48.706 (49%) gigawatts e a solar, 3.643 gigawatts (4%). Quando se leva em consideração o potencial de crescimento das renováveis, a região se destaca inclusive no cenário internacional. Isso porque o Nordeste, além de agregar os elementos necessários para a produção, tem uma posição privilegiada para sua exportação. O hidrogênio verde é visto por outros países como um dos caminhos possíveis para cumprirem suas metas climáticas e abandonarem as fontes fósseis, como o carvão, na geração de energia, e a importação pode se tornar viável neste cenário.

Porém, além da exportação, o H2V no Nordeste pode servir de alavanca para o desenvolvimento industrial verde da região, estimulando a vinda de empresas multinacionais para solo brasileiro, e promovendo a mobilidade elétrica ainda incipiente no contexto nacional. Estão em processo de criação no Brasil, alguns hubs de produção de hidrogênio, dois deles no Nordeste. O mais avançado, com contratos assinados, é o hub do porto do Pecém, no Ceará. Há também projetos no porto do Suape, em Pernambuco, no Rio Grande do Sul e em Minas Gerais.

O H2V está inserido no Plano Nordeste Potência, documento da sociedade civil que propõe caminhos de desenvolvimento verde e justo para a região, e que foi entregue a candidatos a governos estaduais. Ele indica a necessidade de se estabelecer um planejamento regional para otimizar a produção, o escoamento e a utilização da tecnologia, mas também alerta para riscos socioambientais associados. Um dos pontos principais para promover o Nordeste como polo produtor mundial de hidrogênio verde é o fornecimento de energia renovável a um custo reduzido para a produção, o que pode estimular a instalação de torres eólicas no mar, chamadas offshore.

O Plano Nordeste Potência é resultado de uma coalizão de quatro organizações civis brasileiras: Centro Brasil no Clima (CBC), Fundo Casa Socioambiental, Grupo Ambientalista da Bahia (Gambá) e Instituto ClimaInfo, com apoio do Instituto Clima e Sociedade (iCS). O objetivo principal é garantir que a transição energética no Nordeste seja justa, inclusiva e contemple a revitalização da Bacia do Rio São Francisco.

Print Friendly, PDF & Email

Gostou desse artigo? compartilhe!

Últimas

Reprodução
B3 | Reprodução
Maceió
IPVA Ceará
Lucas Araripe | Reprodução
sebrae
refinaria
Elétrico da BYD em exibição na Bahia | Reprodução
Paulo Raposo assume a Diretoria de E-Commerce da Carajás Home Center
Pesquisador da Universidade Federal de Viçosa mostra combustíveis produzidos a partir da Macaúba | Foto: Acelen

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#pf-content img.pf-large-image.pf-primary-img.flex-width.pf-size-full.mediumImage{ display:none !important; }