Danielle Santoro

Por Carolina Mesquita
Para Diário do Nordeste

Com chuvas irregulares, a projeção para a safra de grãos do Ceará neste ano ficou em 574,7 mil toneladas, volume 27,65% menor que o obtido em 2020 (794,4 mil toneladas).

O prognóstico é do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) divulgado nessa quinta-feira (7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Conforme a pesquisa, dos 21 produtos monitorados, sete tiveram redução na expectativa de produção em setembro e apenas quatro apresentaram elevação.

CONFIRA ITENS QUE DEVEM TER QUEDA NA PRODUÇÃO:

  • Arroz de sequeiro
  • Arroz irrigado 2ª safra
  • Feijão-de-corda 2ª safra irrigado
  • Milho grão sequeiro 1ª safra
  • Fava
  • Feijão de arranca 1ª safra
  • Algodão herbáceo sequeiro

A redução na produção do arroz de sequeiro ocorreu diante da queda na área plantada e na produtividade, ambos em decorrência da irregularidade na distribuição das chuvas. Já o recuo da área plantada do arroz irrigado 2ª safra é explicado a partir do custo dos insumos e da energia elétrica, da readaptação das áreas sem várzea em Quixelô e da disponibilidade de água. Cultivado em todos os municípios do Estado, o feijão de arranca 1ª safra se deu pela redução dos rendimentos com as chuvas irregulares em Alcântaras e Meruoca.

No caso do feijão de corda 2ª safra irrigado, a área plantada foi diminuída por conta dos custos com energia elétrica e da mão de obra, além de ter sido substituída pela carcinicultura. Também importante grão no Ceará, o milho de sequeiro 1ª safra sofreu baixas na área plantada e no rendimento ocasionadas pela escassez de chuvas.

 

safra de milhoImportante grão no Ceará, o milho de sequeiro 1ª safra sofreu baixas na área plantada e no rendimento ocasionadas pela escassez de chuvas. Foto: Kid Júnior

 

CONFIRA ITENS QUE DEVEM TER AUMENTO NA PRODUÇÃO:

  • Arroz irrigado 1ª safra
  • Feijão-de-corda 1ª safra sequeiro
  • Feijão-de-corda 2ª safra sequeiro

O arroz irrigado 1ª safra apresentou crescimento da produção em virtude do crescimento da área. As chuvas concentradas em Uruburetama, Paraipaba e Aracoiaba elevaram o rendimento do feijão de corda 1ª safra sequeiro, atingindo maior retorno que a média dos últimos onze anos e elevando a projeção para a safra de 2021. O mesmo ocorreu em Horizonte, puxando para cima o prognóstico para a produção do feijão de corda 2ª safra sequeiro.

SAFRA 2021/2022

A Companhia Nacional de Abastecimento divulgou projeção para a safra 2021/2022. Segundo o levantamento, o Ceará deve obter 653,6 mil toneladas de grãos na próxima colheita, volume 10,1% maior que as 593,5 mil toneladas da safra 2020/2021. A variação é a terceira maior do Nordeste, atrás somente do Piauí, que deve atingir crescimento de 10,7%, totalizando 5,5 milhões de toneladas, e da Paraíba, que deve obter alta de 15,8%, alcançando 93 mil toneladas.

O Nordeste deve atingir 24,4 milhões de toneladas de grãos produzidos na safra 2021/2022, o que representa um aumento de 3,5%.