Jornalismo econômico para a inovação no Nordeste -
Jornalismo econômico para a inovação no Nordeste -
19 de junho de 2024 18:42

Orçamento de estados nordestinos têm resultados positivos, diz relatório

Orçamento de estados nordestinos têm resultados positivos, diz relatório

Estados nordestinos registram crescimento de receitas e controle de gastos no primeiro bimestre, mas desafios fiscais permanecem

O panorama fiscal dos estados nordestinos apresentou melhorias no primeiro bimestre de 2024, com crescimento das receitas superando a expansão das despesas, segundo o Relatório publicado nessa segunda-feira (21) pela Etene, setor de estudos e pesquisas do Banco do Nordeste.

De acordo com o estudo, apenas Paraíba, Piauí e Sergipe tiveram tiveram mais despesas que receitas nesse período. Apesar disso, todos os estados da região apresentaram saldo orçamentário positivo nos dois primeiros meses de 2024.

Bahia, Alagoas e Ceará destacam-se pelo crescimento real das receitas correntes no primeiro bimestre. O Ceará também registra uma queda significativa nas despesas correntes, enquanto Maranhão teve aumentos tanto nas receitas quanto nas despesas.

No que se refere às despesas correntes, Bahia (8%) e Piauí (3%) apresentam os maiores percentuais de investimentos em relação à receita total, enquanto Ceará, Rio Grande do Norte e Sergipe ficaram com 1%. A manutenção de altos níveis de investimento é fundamental para melhorar o ambiente de negócios e atrair investimentos privados, gerando renda e emprego.

Entretanto, os gastos com pessoal e encargos sociais ainda comprometem uma grande parte dos orçamentos estaduais. No Rio Grande do Norte, essas despesas consumiram quase 70% das receitas totais, ultrapassando o limite estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal. O resultado primário, indicador da capacidade de gerar superávit antes do pagamento de juros, reduziu-se na maioria dos estados nordestinos em comparação com o ano anterior. Apenas Ceará, Maranhão e Rio Grande do Norte registraram aumentos, apesar das despesas com pessoal.

As áreas de Educação, Saúde e Segurança Pública representaram mais de 40% dos gastos governamentais. Paraíba se destaca nos investimentos em Educação, enquanto Sergipe e Maranhão priorizam a Saúde, e a Segurança Pública apresenta uma média de 12% dos orçamentos estaduais.

A perspectiva de longo prazo ainda apresenta riscos fiscais. Existe uma preocupação de que, ao longo do ano, as receitas não acompanhem o aumento das despesas públicas. Para reduzir esses riscos, os estados adotaram medidas como a recomposição das alíquotas do ICMS. A alíquota modal regional aumentou de 18% para 20%, com Alagoas aplicando a menor alíquota (19%) e Maranhão a maior (22%).

Print Friendly, PDF & Email

Gostou desse artigo? compartilhe!

Últimas

braskem
Aldemir Freire, Diretor de Planejamento do BNB | Reprodução Linkedin
summit-mobilidade
investalagoas1
Cerimônia marcou a grande noite dos vencedores do XII Prêmio Sebrae Prefeitura Empreendedora (PSPE). Foto: Erivelton Viana.
Uma tela de computador exibindo um mapa do Brasil, um cacto representando o Nordeste e uma seta com indicadores econômicos em crescimento
Karine_Oliveira_Shark_Tank_Brasil_sony_da4a4753b7
Julio-VasconcelosJVC05434-Aprimorado-NR-scaled_p7420_cover_image_resized
Imagem gerada por inteligência artificial: (várias lojas populares, vendendo milho cozido, com bandeirinhas coloridas penduradas em cordões nas ruas, vários compradores e um grupo com uma pessoa tocando sanfona)
engie-696x428

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#pf-content img.pf-large-image.pf-primary-img.flex-width.pf-size-full.mediumImage{ display:none !important; }