Jornalismo econômico para a inovação no Nordeste -
Jornalismo econômico para a inovação no Nordeste -
1 de março de 2024 22:55

Transnordestina deve dobrar volume de carga movimentada no Porto do Pecém, no Ceará

Transnordestina deve dobrar volume de carga movimentada no Porto do Pecém, no Ceará

A ferrovia terá capacidade inicial para transportar 30 milhões de toneladas por ano, número que pode dobrar posteriormente

A Transnordestina é considerada uma ferrovia estruturante, ou seja, será uma das principais vias de transporte na região em que perpassa. Além de se destacar pelo volume transportado, o projeto também deve gerar impacto econômico significativo nos equipamentos e negócios relacionados.

Foto: Divulgação

Um deles é o incremento na movimentação de carga no Porto do Pecém, ponto final da Transnordestina. A expectativa é que, após o início da operação, prevista para 2027, o volume movimento no terminal marítimo dobre.

A projeção é de Tufi Daher Filho, diretor-presidente da Transnordestina Logística S/A, empresa responsável pela construção da ferrovia. Em entrevista ao Diário do Nordeste, ele pontua que, atualmente, o Porto do Pecém movimenta cerca de 25 milhões de toneladas por ano.

Num primeiro momento, a Transnordestina terá capacidade para transportar 30 milhões de toneladas por ano, número que pode dobrar posteriormente com o incremento do número de pátios.

“Uma parte da carga transportada pela ferrovia é para atender o mercado interno, mas a grande parte dela é para o Porto. A nossa expectativa, e a do Porto, é em pouquíssimo tempo duplicar a movimentação no Porto do Pecém”, afirma Daher.

Atração de empresas

O porta-voz da Transnordestina Logística S/A também ressalta que, a partir da conclusão das obras e do início da operação, inúmeras empresas devem se instalar ao longo dos trilhos.

Isso porque a ferrovia oferecerá uma infraestrutura rápida e de baixo custo benefício para o transporte de insumos e o escoamento da produção dessas empresas.

O que acontece com toda essa região? Ela não tem empresas suficientes, porque você não tem um sistema logístico suficiente, confiável, para que as empresas possam se instalar. E o sistema logístico nunca se instalou porque não tinha empresas. Nós quebramos esse binômio negativo”

Tufi Daher Filho

Diretor-presidente da Transnordestina Logística S/A

Ele indica que, dessa forma, a geração de empregos será multiplicada.

“Eu tenho convicção que, mesmo o melhor estudo de mercado que a gente tenha feito, ele ainda é pé no chão, é pessimista diante do que vai acontecer”, ressalta.

Tipos de carga

Daher detalha que os grãos deverão representar parte significativa dos volumes transportados pela ferrovia. Além deles, também devem utilizar o equipamento produtos em contêineres, gipsita, fertilizantes, combustíveis e cargas gerais.

A Transnordestina possuirá uma extensão de 1.210 km, ligando o município de Eliseu Marins (PI) ao Porto do Pecém (CE).

A velocidade máxima dos trens será de 80 km/h, de forma que uma viagem pelo percurso completo poderá ser feita em até um dia e meio.

Além disso, os trens da ferrovia terão até 104 vagões, que darão capacidade de transportar a mesma quantidade de carga que 260 carretas.

“Você imagina o custo disso, como vai ser baixo. Fora as estradas que acabam tendo um respiro, e elas precisam”, argumenta o executivo.

Print Friendly, PDF & Email

Gostou desse artigo? compartilhe!

Últimas

Renata dos Santos, Secretária da Fazenda de Alagoas | Reprodução
Obras da Transnordestina | Foto: Agência Senado
agencia do bnb no bairro passaré - fortaleza - ceara
conectarecife
OIP
The landscape of Caatinga in Brazil
2021-04-23-general-salgado-5-1
Reprodução
Reprodução
Reprodução

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#pf-content img.pf-large-image.pf-primary-img.flex-width.pf-size-full.mediumImage{ display:none !important; }