Jornalismo econômico para a inovação no Nordeste -
Jornalismo econômico para a inovação no Nordeste -
23 de fevereiro de 2024 16:46

Usina eólica em alto-mar no Ceará terá investimento de R$ 50 bilhões

Usina eólica em alto-mar no Ceará terá investimento de R$ 50 bilhões

Gigantesco projeto energético é uma joint-venture entre um fundo de investimento australiano e a cearense Servtec. Memorando deve sair em breve

Por Victor Ximenes
Para Diário do Nordeste

Após a regulamentação da energia offshore (em alto-mar) no Brasil, os projetos começam a acelerar, com o Ceará partindo na frente para ser um dos protagonistas da modalidade. Um dos investimentos previstos está prestes a avançar, com a assinatura de um memorando de entendimento que será concretizada em breve.

Trata-se de um colossal empreendimento — da ordem de R$ 50 bilhões, que pode figurar entre os maiores da história do Ceará — com aporte do fundo de investimentos australiano Macquarie e participação da cearense Servtec.

 

Lauro Fiúza afirma que memorando para o empreendimento. deve ser assinado em breve. Foto: Fabiane de Paula

 

O empresário Lauro Fiúza, diretor da Servtec, afirma que faltam apenas alguns ajustes para a assinatura do protocolo, que será inteiramente alinhado a tendências internacionais de ESG (Sigla para o comprometimento das empresas com as áreas ambiental, social e governança).

HIDROGÊNIO VERDE

A empresa australiana, que entrará com o capital para o projeto, tem expertise em projetos semelhantes. “Eles estão desenvolvendo 21 GW de parques eólicos offshore na Europa e na Ásia”, conta Fiúza. O parque eólico, a ser construído a 20 km da costa cearense, no Pecém, terá capacidade para gerar 3,8 GW. O foco do projeto será suprir a demanda do hub de hidrogênio verde que será instalado no Complexo do Pecém.

“Tudo isso nasce do pioneirismo do Ceará em desenvolver a ideia do hidrogênio verde. O hidrogênio vai utilizar muita energia renovável. O Brasil tem um potencial brutal de geração de energia com as fontes renováveis, pelo menos 11 vezes superior a toda a capacidade atual. O problema é que não tem demanda interna pra isso tudo. Com o hidrogênio, isso muda, porque nós podemos produzir e exportar essa energia”, contextualiza.

O executivo afirma que a joint-venture tem planos de instalar usinas também no Espírito Santo e Rio Grande do Sul. As primeiras informações sobre o projeto foram publicadas pelo colunista Egídio Serpa, em fevereiro.

Print Friendly, PDF & Email

Gostou desse artigo? compartilhe!

Últimas

Reprodução
B3 | Reprodução
Maceió
IPVA Ceará
Lucas Araripe | Reprodução
sebrae
refinaria
Elétrico da BYD em exibição na Bahia | Reprodução
Paulo Raposo assume a Diretoria de E-Commerce da Carajás Home Center
Pesquisador da Universidade Federal de Viçosa mostra combustíveis produzidos a partir da Macaúba | Foto: Acelen

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#pf-content img.pf-large-image.pf-primary-img.flex-width.pf-size-full.mediumImage{ display:none !important; }