Jornalismo econômico para a inovação no Nordeste -
Jornalismo econômico para a inovação no Nordeste -
19 de junho de 2024 23:06

Varejistas e entidades empresariais comemoram taxação de importados aprovada pelo Senado

Varejistas e entidades empresariais comemoram taxação de importados aprovada pelo Senado

Legislação aprovada no Senado prevê cobrança de 20% de Imposto de Importação em compras de até US$ 50

Com a aprovação no Senado da “taxação das blusinhas”, após muitas reviravoltas políticas, as empresas de e-commerce do país e entidades empresariais comemoraram a decisão do Senado, que aprovou hoje o fim da isenção de Imposto de Importação para produtos importados comprados pela internet em plataformas de comércio eletrônico.

Segundo a legislação, as compras de até US$ 50 (R$ 265) terão alíquotas de 20% de Imposto de Importação. A partir deste valor, a taxa será de 60%.

Em nota, o Instituto para o Desenvolvimento do Varejo (IDV), que representa varejistas nacionais, afirmou que aprovação da taxação foi um passo importante “a caminho da isonomia tributária”. A entidade vinha pressionando o governo e o Congresso para acabar com a isenção.

“O Congresso Nacional teve enorme sensibilidade e compreendeu que não faz nenhum sentido ter uma politica de favorecimento de produtos vindos do exterior em detrimento dos produzidos e vendidos no Brasil”, afirmou o IDV em comunicado.

O IDV acrescentou que espera agora a sanção do presidente Lula, mas ponderou que o percentual de 20% de Imposto de Importação ainda é “insuficiente” para reequilibrar a competição, na avaliação da entidade.

A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) também informou que a aprovação é um passo importante, mas que a alíquota ainda é insuficiente para se equiparar com os impostos pagos pela produção nacional.

O MercadoLivre afirmou que “a isenção do imposto de importação para as vendas feitas por plataformas internacionais de até $50 dólares gera uma concorrência desleal especialmente perversa para pequenos comerciantes nacionais”.

A empresa de origem argentina diz em comunicado que sua posição em favor da aprovação da cobrança reafirma sua posição em defesa da isonomia tributária, permitindo ” restabelecer um equilíbrio concorrencial entre empresas e pequenos negócios locais e internacionais”.

Procuradas pelo GLOBO, as principais empresas internacionais que operam no país não se posicionaram. A Shein, que segundo o BTG fatura cerca de R$ 15 bilhões no país, preferiu não comentar. No fim do mês passado, a empresa disse que 88% dos seus clientes eram das classe C, D e E, reagindo à criticas de varejistas nacionais e do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Magazine Luiza e a Amazon também preferiram não se posicionar. Até a publicação da reportagem, o AliExpress, do grupo chinês Alibaba, e a Shopee não haviam se posicionado.

Print Friendly, PDF & Email

Gostou desse artigo? compartilhe!

Últimas

braskem
Aldemir Freire, Diretor de Planejamento do BNB | Reprodução Linkedin
summit-mobilidade
investalagoas1
Cerimônia marcou a grande noite dos vencedores do XII Prêmio Sebrae Prefeitura Empreendedora (PSPE). Foto: Erivelton Viana.
Uma tela de computador exibindo um mapa do Brasil, um cacto representando o Nordeste e uma seta com indicadores econômicos em crescimento
Karine_Oliveira_Shark_Tank_Brasil_sony_da4a4753b7
Julio-VasconcelosJVC05434-Aprimorado-NR-scaled_p7420_cover_image_resized
Imagem gerada por inteligência artificial: (várias lojas populares, vendendo milho cozido, com bandeirinhas coloridas penduradas em cordões nas ruas, vários compradores e um grupo com uma pessoa tocando sanfona)
engie-696x428

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#pf-content img.pf-large-image.pf-primary-img.flex-width.pf-size-full.mediumImage{ display:none !important; }